Aline Machado: ‘tudo que merece ser feito, merece ser bem feito’

A paixão da instrutora Aline da Silva Machado Castro pela profissão salta aos olhos em tudo que ela faz. Seja na apresentação dos produtos que nascem de suas aulas nos cursos do SENAR MINAS de Derivados do Leite (Básico; Produtos Especiais; Doce de Leite e Doce de Leite Artesanal), na paixão que tem por suas vacas e queijos e na sua vida pessoal.

Com 50 anos, casada, mãe de três filhos, ‘mãe de coração’ de outros quatro, e avó de sete netos – todos orgulhosos de sua profissão e do amor que tem por ela -, Aline conta que seu passatempo é fazer pães artesanais, jogar vôlei e pintar. “Quando não estou trabalhando, gosto de ir para a fazenda acender o fogão a lenha com alguma iguaria para deixar a casa bem cheirosa e acolhedora, admirar os campos e animais, ver a criançada solta e feliz”, acrescenta a instrutora, cujo sorriso largo cativa os alunos.

Com formação em Técnico em Leite e Derivados pelo Instituto Cândido Tostes (ILCT) desde 1987, hoje Aline cursa Processos Gerenciais. Apesar de ter passado sete anos trabalhando como diretora comercial de cooperativa e outros dois como gerente de produção de um laticínio, ela nunca deixou de ensinar. Durante sua formação no ILCT, ela foi monitora, assistente da área de pesquisa e atuava nos cursos rápidos; atualmente, já são 25 anos como instrutora do SENAR – “minha grande paixão”, reforça.

O que Aline mais gosta é repartir seu saber e despertar talentos – este ano, na Semana do Fazendeiro em Viçosa, ela recebeu alunos até de Portugal querendo aprender os segredos do doce de leite mineiro. Fora dos cursos, ela gosta de estar disponível para trocar ideias com os alunos sobre o agronegócio, “e ter uma sábia palavra amiga para o próximo”. Chama a atenção de todos que a veem atuar o capricho com que ela e seus alunos apresentam queijos, iogurtes e doces: a mesa parece montada para um legítimo café colonial. “Busco ilustrar uma identidade possível dos produtos. A possibilidade da produção artesanal de derivados do leite é muito rica, tanta de sabores quanto de formatos. E digo sempre aos alunos: ‘tudo que merece ser feito, merece ser bem feito’”.

No futuro, Aline ainda pretende estudar Turismo e viajar pelo Brasil – mas, por hora, vai continuar curtindo sua paixão: “viver SENAR enquanto Deus me permitir e por onde ele me enviar, ensinando com amor a arte de fazer queijos”.